A Cozinha está de férias.

 

Por 2 semanas reinará o silêncio nas minhas panelas.

IMG_1395

Lemon Pepper

IMG_1489

Água Aromatizada

Aproveitarei esse tempo para conhecer, pesquisar e descobrir novas receitas, ingredientes e técnicas para compartilhar com vocês.

IMG_1495 (2)

Brownie com Sorvete de Frutas Vermelhas e Morangos.

IMG_1570

Morangos Marinados

Quem tiver curiosidade para ver um prévia dessas novidades  pode acessar o Instagram e o Facebook da Cozinha Sincera onde irei compartilhar um pouco do que achar interessante nessa viagem. Afinal, cozinhar é uma aventura.

IMG_1536

Creme Inglês.

IMG_1597

Suflê de Chocolate.

Até breve.

Pho soup. Uma sopa vietnamita que vai conquistar você.

Quando você pensa em comida oriental o que lhe vem a mente? O peixe cru do sashimi, os legumes do yakisoba, o molho agridoce do tempurá, o picante massala indiano ou a delicadeza dos dumpling?

Agora observe essa pequena lista e me diga o que todos esses pratos tradicionais tem em comum. O que você encontra de comum neles é o frescor dos ingredientes, o equilíbrio de sabores, o minimalismo do gestual e a particularidade de se poder fazer quase todas as receitas em espaços mínimos e com o minimo de utensílios.

Essa sopa vietnamita representa com perfeição essa culinária.

IMG_1327

Pho Soup.

O Vietnã é, juntamente com o Camboja e o Laos, parte da Indochina.Faz fronteira com a China e foi considerado colônia francesa até 1954 sendo incontestável a influencia desses dois países em sua culinária. Assim como na China, o arroz é a base da alimentação. Normalmente   acompanhado de muitos vegetais frescos em composições em que a carne é meramente coadjuvante. A influencia francesa se observa tanto  nos processos e técnicas culinárias quanto no uso de muita manteiga, iogurte, café e uma grande tradição na panificação.

A base da Pho Soup é um forte caldo de carne feito com ossos, acém e paleta que é desengordurado e clarificado antes de ser temperado com gengibre, cebola  e especiarias. A carne sem osso que se usou no caldo é picada em tiras, refogada  e colocada em  tigelas individuais  junto com macarrão de arroz já cozido.  Brotos de feijão e de bambu são colocados em pequenas tigelas, assim como manjericão, coentro fresco e muita cebolinha picada. Quando tudo esta organizado, cada um coloca em sua tigela os ingredientes que mais gosta e em seguida despeja uma generosa quantidade de caldo bem quente  por cima.

Uma receita perfeita para as noites de inverno quando o caldo temperado com gengibre, canela, anis e cravo aquece o corpo e a leveza dos ingredientes garante uma tranquila noite de sono. Como dizem meus filhos: vamos tomar um banho quente, colocar um pijama fofo, tomar essa sopa e ir direto para a cama… ou seja, uma autentica confort food.

Ingredientes para o caldo.

  1. 1 kg de carne com osso. Pode ser costela, peito ou ossobuco.
  2. 500 gr de acém, colchão duro ou patinho.
  3. 2 pedaços de gengibre cortados em fatias grossas.
  4. 1 cebola grande cortada ao meio.
  5. 1 colher de chá de sementes de erva-doce ou anis estrelado.
  6. 2 pedaços de canela em rama.
  7. 4 unidades de cravo.
  8. 1 dente de alho.
  9. 6  grãos de pimenta.
  10. 1 colher de chá de coentro em grão.
  11. 2 colheres de sopa de shoyo.
  12. 2 colheres de sopa de açúcar mascavo.
  13. 1 sache de hondashi (molho de peixe).
  14. 1 colher de sopa de molho de ostras.

Poxa, tudo isso? Para a receita original sim. Mas é possível obter um resultado muito bom somente usando o caldo base, as especiarias e shoyo. Além disso, não coloquei açúcar pois achei que ficaria adocicado demais para o meu paladar.

Ferva os ossos e as carnes em bastante água, escorra toda a água e limpe as peças para tirar espuma e impurezas.

Coloque a carne com mais água na panela, mais ou menos 3 litros, e cozinhe na pressão por 2 horas.

Retire da panela, coloque em uma vasilha, separe a carne e leve a geladeira até que toda a gordura suba e endureça. Retire toda a gordura com o auxílio de uma colher e coloque o caldo para ferver de novo.

Corte a cebola e o gengibre ao meio e coloque-os em uma frigideira antiaderente até que fiquem levemente grelhados. Adicione ao caldo.

IMG_1312 (1)IMG_1315IMG_1319 (1)IMG_1323

Na mesma frigideira aqueça as especiarias até que seu aroma fique bem pronunciado. Adicione ao caldo e deixe tudo ferver por, mais ou menos, 1 hora.

IMG_1321 (1)

Enquanto isso prepare a guarnição.

Ingredientes:

  1. 1 porcão de macarrão de arroz cozido conforme as instruções do fabricante. Você pode usar bifun por exemplo. Não tem macarrão de arroz? Me perdoem os puristas mas lá vai… use um Lamém, ou um macarrão para sobá por exemplo.
  2. Brotos de feijão ou bambu, ou alfafa…
  3. Coentro fresco.
  4. Manjericão fresco.
  5. Fatias de carne refogada com cebola e shoyo. Pode ser a carne do caldo.
  6. Cebolinha picada.
  7. Fatias de limão.
  8. Shoyo para temperar a gosto.

Montagem:

Coloque uma porcão de macarrão cozido no fundo da tigela, acrescente a carne, os brotos e os temperos a gosto.

IMG_1324 (1)IMG_1325IMG_1326

Cloque o caldo quente por cima dos ingredientes e… bom apetite.

Uma receita vietnamita direto para sua cozinha…

Cozinhar é , ou não é, uma aventura?

Outras variações sobre o mesmo tema agora com legumes refogados no shoyo e dumpling de massa de arroz… mas essas são nossas próximas viagens… aventuras…  descobertas…

IMG_1311 (1)IMG_1476

 

 

 

 

Panquecas de Aveia com Mirtilos. Sem glúten.

Adoro panqueca. Durante toda a minha infância comi panqueca, mas sempre salgadas. Recheadas de carne moída ou frango, cobertas com Molho à Bolonhesa e gratinadas no forno com queijo parmesão. Realmente deliciosas.

Mas recentemente descobri um universo paralelo no mundo das panquecas.

Panquecas pequenas, doces  e fofas para o café da manhã. Além de deliciosas são das poucas coisas que, mesmo sem glúten, são excelentes  substitutos para o pão nosso de cada dia.

Mas, dirão os mais atentos, se tem aveia na receita tem glúten. Depende…

A aveia é, naturalmente, um alimento isento de glúten mas normalmente é beneficiada em máquinas nas quais alimentos com glúten também são processados, ocorrendo assim uma contaminação cruzada. Veja no link Aveia tem ou não glúten?

Assim, certifique-se de comprar aveia que contenha selo de garantia de ausência total  de glúten.

Ingredientes:

  1. 3/4 de xícara de aveia sem glúten certificada.
  2. 3/4 de xícara de farinha sem glúten
  3. 1 xícara de leite integral.
  4. 1 pitada de sal.
  5. 1 ovo.
  6. 1 colher de chá de açúcar.
  7. 1 colher de chá de açúcar.
  8. 1/2 xícara de mirtilos.

Modo de Fazer:

Misture os elementos secos e o mirtilo.IMG_3798 [20643]

Bata o ovo com o leite.

Misture  parte líquida com a seca.

Faço a massa na noite anterior e deixo na geladeira  assim quando acordo já sei o que vou comer…  e isso, para quem tem uma dieta com restrição ao consumo de glúten, é o paraíso.

Se você decidir fazer a massa com antecedência coloque o fermento pouco antes de cozinhar as panquecas.IMG_3799

Aqueça uma frigideira antiaderente com um fio de azeite. Espalhe bem o azeita para cobrir toda a superfície.

Adicione a massa com uma colher grande formando pequenas panquecas.

Espere formar pequenas bolhas de ar na superfície, quando isso acontecer esão prontas para virar.

IMG_3800IMG_3801

Sirva com mel, melaço, Nutella, manteiga…

IMG_3803

Divirta-se, afinal, cozinhar é uma aventura.

Bolo de Coco no Pote. Um presente dentro de outro.

Furoshiki é uma técnica japonesa que consiste em embrulhar objetos em tecido para serem transportados. A origem do hábito remonta ao século 17 quando era costume embrulhar as roupas limpas a serem usadas após o banho em panos de seda a fim de serem transportadas. Furo (banho) Shiki (forrar, revestir).

Com o passar do tempo, a prática se estendeu ao embrulho de qualquer objeto a ser transportado tanto pela sua versatilidade, se moldado a objetos de qualquer formato, quanto pelo seu apelo sustentável, pois a embalagem (lenço) tanto pode ser usada inúmeras vezes como pacote ou bolsa,  quanto é parte do presente quando oferecido,  criando um ciclo de uso e reaproveitamento da embalagem em que  charme, zelo, tradição, sustentabilidade e modernidade se encontram em um embrulho para presente.

Saiba mais em Furoshiki, o embrulho tradicional do Japão e veja no infográfico abaixo algumas sugestões de Furoshiki para embalar diversos objetos.

furoshiki_diagram-12

Furoshiki. Técnica japonesa para embrulhar objetos com tecido.

Continuando com o tema tradição, existe uma tradição brasileira que nunca achei que fosse tão popular no Rio de Janeiro. São as Festas Juninas, e Julinas, e Agostinas…kkk. Verdade, o gosto do carioca por Festas Juninas é tão grande que é comum elas se estenderem ate o mês de Agosto. Nesse período você vê Festas Juninas em colégios, prédios, condomínios,  ruas, casas, mercados, salões de beleza, academias, enfim, pela cidade toda.

Como é comum cada um levar uma prenda para a festa, surgiu a ideia de fazer um Bolo no Pote, pois o fato de ser uma porção individual facilitaria na hora das pessoas se servirem.

A ideia primeira era montar em potes de vidro redondos e forrar a tampa com um círculo de tecido colorido, o que se tornou complicado pois os potes de que dispunha tinham tamanhos e formatos diferentes.

Após definir como  retangular o formato do pote restava saber como embrulha-lo. Foi aí que descobri  Furoshiki e o resultado foi encantador.

image

Bolo de Coco empacotado com a técnica japonesa Furoshiki.

IMG_1273IMG_1269IMG_1270

A massa do bolo foi  Pão de Ló da Tia Fátima, o creme do recheio, o Beijinho Cremoso do Bolo Kit Kat, no meio, para umedecer a massa, suco de laranja e Curd de Limão Siciliano, como cobertura, Mousse de Maracujá em que não coloquei maracujá e, no lugar disso, salpiquei coco queimado por cima.

Valeu a pena? Muito. Ficou lindo e, pelo que me disseram, delicioso.

Para ver como foi a montagem no momento em que foi feita, acessem a página no Facebook da Cozinha Sincera pois transmiti ao vivo e passo a passo a montagem.

Aproveitando o embalo, embrulhei com a mesma técnica uma Torta de Maçã e sua Calda Caramelo que levei de sobremesa para um almoço.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Espero que tenham gostado e que esse blog cumpra sua função que é inspirar vocês a entenderem  que, cozinhar é uma aventura.

 

Nhoque de Batata-Doce com Pesto Alla Trapanese.

Pesto. Molho originário da região da Ligúria na Itália, especificamente da cidade de Gênova. Feito com manjericão, queijo pecorino ou parmesão, alho, pinoles e azeite de oliva é um molho aromático e delicioso para massas… carnes… risotos… peixes… Vocês entenderam o sentido…  pensem em um Filé de Peixe grelhado acompanhado de uma generosa porção de pesto por cima; ou uma  porção de Polenta fumegante  com uma colherada de pesto bem no meio; ou um delicioso Risoto Piemontês ao qual foi acrescentado pesto pouco antes de ser servido…

IMG_1183

Nhoque de Batata-doce com Pesto Alla Trapanese.

Agora, se seu sabor e sua versatilidade são de público conhecimento o mesmo não se pode dizer de todas as suas versões… existe Pesto de Rúcola, Pesto de Zuchini, Pesto de Peperoni, Pesto de Pistacchi, de Mardole, de Sálvia e até mesmo de Mirtilo…

Veja: 40 pesti per la pasta.

A variedade é imensa mas a base é quase sempre a mesma. Uma noz: pinole, pistache ou amêndoa; uma erva aromática: manjericão, sálvia, rúcola;  um queijo: pecorino, parmesão, muçarela; e azeite de oliva.

 

Vejamos então a receita do Pesto Alla Trapenese, ou Pesto com Mardole e Pomodoro,  ou Pesto de Tomate com Amêndoa.

Ingredientes:

IMG_1158

Pesto Alla Trapanese: manjericão, tomates, amêndoas, pecorino, azeite de oliva e sal.

  1. 50 gr de amêndoas sem pele. Mais ou menos 15.
  2. 2 dentes de alho
  3. 1 maço grande de manjericão fresco. Deve resultar em 1 xícara de folhas sem os caules.
  4. 6 tomates sem pele e sem semente.
  5. 2 colheres de sopa de queijo pecorino ou parmesão.
  6. 6 colheres de sopa de azeite de oliva.

 

Esse é o primeiro pesto que faço usando  processador de alimentos pois as ervas utilizadas no molho são muito sensíveis e oxidam  facilmente quando trituradas resultando em molhos escuros e amargos. “…pestatele insieme all’aglio sbucciato dentro un pestello di marmo…”.

Mas como resolvi seguir a receita…

IMG_1161

Pele os tomates. Coloque uma panela de água para aquecer,  quando a água ferver faça cortes em cruz na pele dos tomates e adicione à água. Espere alguns minutos até a casca soltar, retire da água, espere esfriar e  tire a pele e as sementes. Coloque as sementes em uma peneira para escorrer o sumo dos tomates.

Adicione todos os ingredientes ao processador e triture rapidamente.

IMG_1167

Está pronto para ser usado…

Veja o molho original acompanhado de Nhoque de Batata-doce sem glúten.

IMG_1178

Como a Cozinha é Sincera admito, experimentei e achei que faltava algo… os tomates crus resultaram em um molho pálido e pouco intenso. Não tive dúvidas, coloquei o molho em uma pequena panela e deixei ferver alguns minutos. Me perdoem os italianos, principalmente da região do Porto de Trapani,  mas creio que a matéria prima deve ser diferente o que me obrigou a cometer essa heresia… que resultou em um molho incrivelmente saboroso pois, caso o contrário, não estaria aqui compartilhando a receita.

IMG_1180

Na página A Cozinha Sincera no Facebook vocês podem ver um vídeo feito ao vivo enquanto eu modelava os nhoque com o auxílio de um garfo. Vale a visita.

A receita do Nhoque de Batata-doce pode ser conferido no link abaixo.

Nhoque de Batata-doce.

E você pode assistir um vídeo da Cozinha Sincera no YouTube com a receita acompanhada de Ragu de Cordeiro.

Nhoque de Batata-doce.

Bom final de dia a todos.

 

Carne com Quiabo e Purê de Batata-Baroa… O que é uma comida trivial?

O que é Trivial?

IMG_1153

Qual a diferença entre o comum e o sofisticado? Somente a forma se o conteúdo for de qualidade.

“Que se tornou comum; conhecido pela maioria das pessoas, ordinário, batido, excessivamente usado, refeição  simples e diária; refeição que se faz em casa.”

Segundo a definição acima, nada seria mais trivial do que carne com quiabo acompanhado de purê e couve-flor refogada. Será?

Comecemos pelo controvertido quiabo, amado por alguns e detestado por quase todos… Gosto não é algo a se discutir, mas muitas vezes acho que o “desgosto” deve ser sempre revisto para se ter certeza de que não se está cometendo nenhuma injustiça o que, no que diz respeito ao quiabo, recai sobre o pecado de ser “babado”.

Ora, o quiabo só é babado se você quiser pois basta não mexer com ele que ele não “baba ninguém”.

Para essa receita prepare o quiabo conforme descrito na receia a seguir, substituindo, ou não, a carne moída por carne picada. Quiabo Nada Babado.

Prepare um Purê de Batata-Baroa:

Veja aqui quem é a Batata-Baroa, de onde veio  e quais são seus outros nomes: Mandioquinha Salsa.

Ingredientes:

  1. 1 kg de batata baroa.
  2. 50 gr de manteiga.
  3. 1/2 xícara de chá de leite.
  4. Noz moscada moída a hora.
  5. Sal e pimenta a gosto.
  6. Queijo parmesão o quanto baste.

Modo de Fazer:

IMG_1131

IMG_1134IMG_1136

Coloque o forno para preaquecer a 200 graus.

Descasque, cozinhe e amasse as batatas.

Cozinhe em uma panela de fundo grosso com o restante dos ingredientes até desprender do fundo.

Unte uma forma refratária, coloque o purê, salpique parmesão por cima e leve para assar até gratinar.

IMG_1138IMG_1140IMG_1147

Fiz isso em um aro para servir porcões individuais.

Cozinhe a couve-flor até estar tenra mas ainda firme.

Sirva uma porcão de purê com o  refogado de quiabo por cima, acompanhados da couve-flor temperada com azeite de oliva, sal e pimenta moída na hora.

IMG_1150

IMG_1143

As flores da Horta da Cozinha.

IMG_1146

Flor da Fava.

Entao o trivial roubou a cena o espetáculo e se mostrou extraordinário.

Para amanhã, A Fraldinha, tida como carne de segunda também vem para te surpreender.

IMG_3727 [1175]

Fraldinha Recheada servida com Batata Corada e seu Molho.


Até amanhã.

Bucatini Alla Norma. Uma receita digna de uma ópera.

Alla Norma… mas quem é Norma?

Uma ópera.

Pasta Alla Norma é uma receita  siciliana, especificamente da cidade de Catânia, local em que nasceu Vicenzo Bellini autor da ópera Norma que estreou n0 Teatro Escala de Milão em 1831. Consta, que a partir do grande sucesso que a belíssima obra alcançou, os habitantes da região passaram a definir como “Sempra una Norma”, lembra a Norma,  tudo que fosse excepcionalmente bom.

Os ingredientes do molho seriam referências  ao  Etna cujas erupções arrasaram várias vezes a cidade. O molho de tomate seria a lava, a ricota representaria a neve no cume e a berinjela as encostas enegrecidas. Assim, em algum momento essa receita tradicional ganhou esse nome por ser digno da famosa ópera…no que sou obrigada a concordar. Ficou divina.

IMG_1127

Bucatini Alla Norma. Digno de uma ópera.

Quem tiver curiosidade acerca  da ópera assistam Maria Callas interpretando uma das duas ária.

Maria Callas – Norma 1958, Paris

Ingredientes:

IMG_1106

Berinjela, tomate e manjericão da Horta da Cozinha. A perfeita tríade.

  1. 2 berinjelas grandes.
  2. Molho ao Sugo..
  3. Bucatini, Espaguetoni, Penne… é importante que seja uma massa robusta.
  4. Manjericão fresco a gosto.
  5. Como eu não tinha Ricota italiana, que é muito diferente da nossa, usei queijo parmesão.
  6. Óleo para fritar.

Modo de Fazer:

Lave e corte as berinjelas, com casca, em forma de palitos.

IMG_1107

Polvilhe com sal e deixe descansar enquanto você prepara o molho de tomate.

Coloque o óleo para aquecer.

Escorra os palitos de berinjela e seque-os.

Frite-os em imersão até que estejam bem fritos, quase queimados… quase heim…

IMG_1108IMG_1109

Cozinhe o macarrão de sua preferência.

Adicione o manjericão e a berinjela ao molho.

IMG_1110IMG_1115

Agora você pode adicionar a massa ao molho e misturar bem antes de servir ou servir “empratado”, colocando a massa no centro de um prato ou dentro de um bowl com o molho por cima e uma pequena guarnição.

Faz diferença? No sabor não, mas “a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”.

IMG_1120

Pene Alla Norma. Massa de farinha de arroz sem glúten.

IMG_1122

Servido no bowl.

IMG_1125

Bucatini Alla Norma.

IMG_1128

Servido “empratado”.

Fontes: Cucina Artusiana

Por uma pequena citação à  Pasta Alla Norma e muitas outras deliciosas citações que valem o prazer da leitura. Roda do Vinho: Mesa com Conviccao.

Uma excelente receita para o jantar e, se essa fora a ideia, veja aqui uma dica de vinho para acompanhar: Sommelier Wine.

Bom final de dia a todos.

Bolo Tiramisu. Um bolo de inspiração italiana para os amantes do café.

Um bolo de aniversário tem que ter algo de especial, de único pois a cada ano que passa nos tornamos diversos do que fomos no ano anterior. Aprendemos todos os dias, mudamos, acrescentamos pequenos retalhos  de conhecimento e experiência à grande colcha de retalhos que costuramos ao longo da vida.

IMG_1087

Esse bolo reflete esse processo de mudança e aprendizagem. Gosto de fazer bolos de aniversário e não são poucos os que vocês já viram por aqui, especialmente Naked Cakes –  ver Naked Cake – e isso por vários motivos: são lindos, menos doces dos que os cobertos com glacê ou pasta americana, podem ser decorado tanto com flores quanto com frutas, podem ser feitos com diversos recheios e massas…enfim, são perfeitos para alguém, que como eu, não tem muita experiência com bicos de confeitar ou massa de modelar.

Mas no que esse bolo difere dos outros? A massa é feita de amêndoa e sem glúten, o recheio é o clássico Tiramisu, – creme de confeiteiro, queijo mascarpone, cacau em pó e café – e a cobertura, um S feito de nougatine, uma delícia francesa que fazia muito tempo queria experimentar. Na verdade esse bolo é um encontro internacional de receitas. A massa é portuguesa, o recheio italiano e a cobertura francesa…hahaha.

Massa:

  1. 110 gr de amêndoas sem pele. Ver
  2. 1 xícara de açúcar.
  3. 100 gr de manteiga em ponto de pomada.
  4. 3 ovos.
  5. 1/4 de xícara de farinha de trigo ou qualquer farinha sem glúten.
  6. 1 colher de chá de fermento de bolo.

Modo de Fazer:

Preaqueça o forno a 180 graus.

Forre com papel manteiga uma forma pequena para um bolo que você quer dividir ao meio ou, uma forma média para servir em fatias como se fosse uma torta.

Bata as amêndoas com o açúcar no liquidificador até triturar bem.

Adicione os ovos e a manteiga e bata muito bem.

Peneire a farinha com o fermento em uma tigela, adicione a mistura do liquidificador e misture delicadamente.

Leve para assar por, mais ou menos, trinta minutos ou até que o teste do palito de positivo.

Para ver essa receita passo a passo e em fotos clique Bolo de Amêndoas. Fácil, rápido e delicioso.

Creme:

  1. 1 lata de leite condensado.
  2. A mesma medida de leite.
  3. 3 gemas.
  4. 500 ml de queijo mascarpone. Pode substituir por creme de leite fresco.
  5. 1 xícara de café bem forte, recém passado e sem açúcar.
  6. Cacau em pó o quanto baste.

Modo de Fazer:

Misture os 3 primeiros ingredientes e leve para cozinhar em fogo baixo, sem deixar ferver, até engrossar. Desligue, coloque em uma tigela e leve para gelar.

Quando o creme estiver gelado e o bolo assado, bata o queijo mascarpone em ponto de chantilly e misture delicadamente ao creme.

Corte o bolo ao meio, eu fiz 2 massas pois queria um bolo alto, regue cada camada com o café, recheie com o creme, polvilhe o cacau  e coloque uma camada sobre a outra. Deixe creme o suficiente para a última camada.

Veja a receita completa em fotos do clássico Tiramisu no link: Tiramisu.

Nougatine:

  1. 100 gr de amêndoas peladas, levemente tostadas em forno baixo e moídas no liquidificador
  2. 100 gr de açúcar em ponto de caramelo.

Modo de Fazer:

Besunte com manteiga a bancada de trabalho.

Besunte de manteiga o rolo de macarrão. Eu entendi que deveria fazer isso da pior forma possível.

Quando tiver as amêndoas preparadas, coloque o açúcar em uma panela de fundo grosso em fogo baixo até que derreta e fique com uma coloração marrom. Cuidado para não queimar, é muito rápido.

IMG_1035

IMG_1036

Na tigela a amêndoa torrada e moída. Farinha de amêndoa.

Quando  o açúcar estiver no ponto, adicione a amêndoa moída e mexa rapidamente.

IMG_1037

Açúcar em ponto de caramelo.

Retire do fogo e despeje sobre a bancada untada.

Cade as fotos? Pois é. como a Cozinha é Sincera, confesso: me enrolei toda. Não tinha untado o rolo e ele grudou todo no nougatine, tive que correr, desgrudar  esticar enquanto  tudo esfriava e endurecia… consegui salvar tudo mas não consegui esticar até ficar na espessura que queria e muito menos fotografar para mostrar para vocês.

Mas não vou deixar vocês na mão. Vejam como fazer um nougatine perfeito no vídeo abaixo.

Nougatine

Rapidamente pegue o rolo de macarrão e estenda esse caramelo o mais fino possível. Quanto mais fino melhor  é o resultado.

Corte em tiras enquanto está flexível, e ainda quente. Modele como quiser.

IMG_1086

Veja exemplos:

 

Montagem:

Antes de começar tudo o que esta escrito aí em cima, pense em como você quer decorar seu bolo e providencie os ingredientes. Frutas vermelhas, flores, chocolate, grãos de café… use a imaginação. Eu usei pequenas orquídeas do jardim da Cozinha e o efeito ficou lindo.

IMG_0976

As flores do Jardim.

IMG_0984

Corte o bolo ao meio, eu fiz 2 massas pois queria um bolo alto, regue cada camada com o café, recheie com o creme, polvilhe o cacau  e coloque uma camada sobre a outra. Espalhe bastante creme sobe a última massa dando a impressão de que o creme escorreu sem querer. Essa técnica é conhecida como Drippy Cake e pode-se dizer com certeza que é a tendencia do momento para decoração de bolos. Veja nas imagens abaixo extraídas da web.

IMG_1086

Meu primeiro Drippy Cake. Vai melhorar com o tempo…como tudo na vida.

Veja:

Polvilhe com  cacau, adicione  o nougatine na forma que você escolheu, a primeira letra do nome do aniversariante por exemplo, e disponha as flores e frutos criando uma composição harmônica.

IMG_1051IMG_1081

Enfim, ficou lindo.

IMG_1095IMG_1098

E delicioso.

Boa noite a todos.